sexta-feira, 24 de agosto de 2007

Nova cara do Orkut

Uma prévia da nova cara do orkut...

Finalmente vão mudar um pouco o visual... Aquele puro azul cansa...
Hehe...

Será que vão mudar aquelas letras malucas e safadas????

terça-feira, 7 de agosto de 2007

VIDRO versus PET - 1º Round

Não!
Não é propaganda de refrigerante!
Hehehe...
É apenas parte do conteúdo da geladeira de casa...

Sim!!
Garrafas de vidro!!!
Aquelas velhas garrafas que muita garotada nem conhece!

Agora você se pergunta: por que ele está postando isso??
Ou ainda: por que ele compra refrigerante em garrafas de vidro??

A explicação é simples: fazer um pouco do que podemos fazer para colaborar na preservação do meio-ambiente.

E como as garrafas de vidro colaboram com o a proteção do meio-ambiente?

Essa explicação já não é tão simples, mas acho que posso resumir um pouco tudo que está por trás da utilização de garrafas de vidro no lugar das garrafas PET.

Começando do princípio

Há algumas semanas, comentando em casa sobre os problemas ambientais que todos nós enfrentamos, entramos no assunto do lixo. Conversamos em família impressionados com a quantia de embalagens inúteis utilizadas nos produtos de consumo diário (ou quase isso). Shampoo em potes de 200ml, café solúvel em embalagem para dose única, refrigerantes em garrafas PET, biscoitos embalados em porções minúsculas, etc. A lista é grande e todos nós conhecemos essa situação. Foi aí que comentei sobre o sumiço das garrafas retornáveis, especialmente para refrigerantes e água mineral, que não se encontram mais na maioria dos supermercados.

Infelizmente, como acredito acontecer na maioria das residências, essas preocupações acabaram ficando apenas na conversa calorosa e cheia de idéias daquele momento de indignação com o tamanho da poluição que causamos.

Porém, uma atitude inesperada muda essa imobilidade que nos atinge na hora de fazer algo de concreto para colaborar com o meio-ambiente. Meu pai, crescido e educado numa época em que as preocupações ambientais eram mínimas (pelo menos para a maioria da população), decide procurar as tais garrafas de vidro retornáveis. Encontrando-as em uma distribuidora local de bebidas, ele resgata um engradado empoeirado guardado na despensa de casa e compra os refrigerantes que ilustram esse post.

Mas e o preço?

A segunda pergunta que fiz ao ver que meu pai havia comprado as tais garrafas (a primeira foi para saber onde ele havia comprado) foi sobre o preço desses refrigerantes. Imaginei que por ter uma vantagem ambiental elas certamente custariam mais caro que os refrigerantes em garrafas PET. Na distribuidora local essas garrafas de 295ml custaram R$ 0,80.

Em seguida me dediquei a comparar esse preço com os dos refrigerantes em garrafas PET. Pesquisei diversos supermercados e estabeleci um comparativo calculando o preço por litro de refrigerante para cada tipo de garrafa. O resultado da minha pesquisa você pode ver aqui.

E foi grande a minha surpresa. O refrigerante das garrafas retornáveis tem preço competitivo e derruba, em muitos locais, o preço das garrafas PET de 600ml. A derrota certa acontece apenas na comparação com as garrafas de 2 litros. Mas, nesse caso, aindo pretendo investigar o preço daquelas garrafas retornáveis de 1,75l e 1,25l. Acredito encontrar nelas um preço por litro mais competitivo.

Dúvida maior: estou realmente colaborando com o meio-ambiente?

Eis que surge mais uma dúvida. A mais importante. Será que comprando refrigerante em garrafas de vidro retornáveis estou realmente colaborando com a preservação do nosso meio-ambiente?

A busca da resposta não foi tão simples e consumiu algumas noites de pesquisa e leitura de artigos, teses e sites diversos. Mas, um documento em especial trouxe uma visão totalmente nova sobre o assunto (pelo menos para mim). A dissertação de mestrado da Engenheira Mecânica Andréa Rodrigues Fabi, sob o título 'Comparação do Consumo de Energia e Emissão de CO2 entre Garrafas de PET e de Vidro, Utilizando Análise Ambiental de Ciclo de Vida' e orientada por Waldir Antonio Bizzo, mostra uma análise completa exatamente sobre aquilo que eu buscava. Sugiro a leitura desse trabalho, o que pode ser feito clicando aqui.

Somando as informações dessa tese àquelas que encontrei em outras diversas fontes (1) (2) (3), tranquilizei-me ao saber que SIM, estou ajudando o meio-ambiente!! A tese de Fabi faz um balanço muitíssimo interessante sobre o consumo de energia e a emissão de CO2 que a produção de garrafas de vidro e garrafas PET ocasionam. Essa análise inclui desde a produção, distribuição e utilização até o descarte, reutilização ou reciclagem dessas embalagens. Alguns detalhes, relativos principalmente ao transporte dessas garrafas e lavagem para reutilziação, podem alterar esse balanço, fazendo-o pender para o lado das garrafas PET. Porém, considerando as outras fontes de informação que levam em conta a origem das matérias primas e prognósticos, as garrafas de vidro mostram-se ambientalmente mais corretas. Dentre os motivos pode-se citar o menor impacto ambiental na obtenção de matéria-prima para o vidro, o menor volume de lixo no final do ciclo e a vindoura escassez de petróleo para produção de plásticos.

E agora, o que eu faço?

Infelizmente a utilização de garrafas de vidro retornáveis está, atualmente, bastante limitada pela disponibilidade. São muito poucos os supermercados que vendem refrigerantes nesse tipo de embalagem. Mas CERVEJA encontramos em todos os locais nas garrafas retornáveis. Portanto, não beba refrigerante, beba CERVEJA!!

Hehehe...

sexta-feira, 3 de agosto de 2007

Censos 2007: 93,4 milhões de pessoas já foram recenseadas em cidades com até 170 mil habitantes

Até o momento, o IBGE recenseou 93,4 milhões de pessoas (84%) em todo o país. Foram coletadas informações em 4,3 milhões de estabelecimentos agropecuários (76,2%), dos 5,7 milhões previstos. Para facilitar os trabalhos, o IBGE dividiu o país em setores censitários. Dos 158.955 existentes, 84,9% foram concluídos pelos recenseadores e outros 29.095 estão em processo de finalização, o que deverá ocorrer até o final da próxima semana.
Entre as regiões, a Nordeste é a que mais avançou, concentrando sete dos oito estados mais adiantados na coleta de dados. Os destaques são a Paraíba e o Ceará, com 97,7% e 93,8%, respectivamente, da população estimada. Algumas unidades da federação até superaram o número de estabelecimentos agropecuários previstos.

Santa Catarina é o terceiro estado mais adiantado nos trabalhos, com 93% da população recenseada. A região Sul teve a coleta prejudicada pelas fortes chuvas que caíram em julho. É bom lembrar que este é também um mês tradicional de férias, quando fica mais difícil encontrar as pessoas em seus domicílios, dificultando mais a contagem da população. No resto do país foi preciso superar outros obstáculos, como a falta de estradas adequadas, ausência de moradores nas residências e necessidade de transporte especial para locais de difícil acesso, entre outros.

Estes fatos não afetarão a divulgação dos números preliminares da contagem, prevista para dia 31 de agosto. A coleta de informações segue de modo contínuo com o objetivo de encerramento nas próximas semanas.

Comunicação Social
02 de agosto de 2007