quarta-feira, 23 de julho de 2008

Acessibilidade : Desafio

Nos últimos 10 a 15 anos temos vivido dois processos que ganharam muita força e tem mostrado resultados bastante positivos. Com a facilidade do acesso à tecnologia, computadores e Internet, a Web já não é mais privilégio de elites e hoje é ferramenta de trabalho e espaço de entretenimento para pessoas de todos os níveis sociais e culturais, apesar das exceções típicas de um país que abriga tantas desigualdades. Paralelamente, legislação e mudanças culturais têm permitido a inclusão de pessoas portadoras de deficiência na sociedade, possibilitando a elas o acesso ao estudo, ao trabalho, ao esporte e ao lazer. A força das desigualdades, infelizmente, também impede que essa inclusão aconteça para todos e em todos os lugares.



A planificação do acesso à informação a inclusão das pessoas portadoras de necessidades especiais são assuntos que permitem e merecem longas discussões e trabalhos de conscientização. Aqui, porém, quero tratar de um ponto específico, aquele onde esses dois fenômenos se encontram.



A educação como conhecemos hoje, difere muito daquilo que meus pais e avós viveram nas escolas. A digitalização da informação modificou a forma como estudamos, e hoje não precisamos sair de casa para ter acesso a livros, periódicos ou bibliotecas inteiras, que podem estar do outro lado do planeta. A maior parte das escolas adaptou-se, ou está se adaptando a essa nova realidade, e o processo de educação utiliza, desde as séries iniciais, recursos digitais como ferramentas auxiliares para o aprendizado. Apesar de auxiliares, a educação tornou-se também dependente delas e, em geral, quanto mais avançadas as especialidades, maior a dependência da tecnologia. Ensinar engenharia, medicina e tantas outras profissões sem computadores tornou-se inviável.



Da mesma forma, o trabalho também sofreu alterações drásticas e todas as atividades profissionais, em algum momento, dependem de recursos tecnológicos, como computadores e a Internet. Mesmo que seu trabalho seja fruto exclusivo de sua habilidade e força física, na hora de pagar ou receber contas, divulgar seu trabalho ou entrar em contato com clientes ou fornecedores você vai necessitar de um computador, de um caixa eletrônico, de um telefone celular ou de tantos outros aparelhos que surgem toda semana.



As novas tecnologias, em especial a Internet, causaram uma enorme mudança também na forma como vivemos em sociedade. A comunicação, elemento básico para a formação e manutenção de grupos sociais, foi totalmente afetada pelo advento e massificação da Web e suas infinitas possibilidades. Indivíduos com características ou interesses comuns não precisam estar próximos fisicamente para formarem seus grupos e comunidades, e as formas de interação que a Web disponibiliza permitem o convívio diário entre essas pessoas. Mesmo para nos comunicarmos com quem está a poucos quarteirões do nosso escritório utilizamos o e-mail, os programas de mensagem instantânea ou VoIP. Este blog também é resultado dessas novas formas de interação e convivência que cada vez mais agregam recursos virtuais. Ainda bem que agregam, contrariando as previsões que diziam que nossa vida seria transferida para o mundo virtual. Hoje combinamos festas pela Internet, mas elas continuam físicas, reais! Ufa!



Pois bem, com todas essas modificações no nosso modo de viver, todos nós desejamos e necessitamos usufruir dessas ferramentas e recursos inovadores. Eu não quero ficar de fora! Então, eu me aproximo de meu computador, ligo ele, espero o sistema operacional ser inicializado e surge uma bela tela, com ícones permitindo que meus olhos escolham as diversas possibilidades da informática. Vou direto para o YouTube e assisto alguns vídeos para descontrair, leio algumas notícias e escuto algumas músicas enquanto procuro imagens para incluir em um trabalho da faculdade. Feito isso, acesso o Orkut, leio e respondo os recados deixados pelos meus amigos, combino algo para o final de semana, discuto um pouco sobre assuntos diversos em algumas comunidades. Logo começam a piscar janelinhas do MSN e o mouse corre para abrí-las e ver o que meu amigo escreveu. Tento responder rapidamente, mas vejo que escrevi uma palavra de forma errada, então volto até ela, apago, escrevo corretamente e envio a mensagem com um 'Enter'. Cansado, resolvo dormir, mas antes mando uma mensagem de texto para o celular da minha noiva e ajusto o despertador do meu celular.



Agora vamos pensar um pouco. O que é necessário para que eu possa fazer tudo isso?



Vou responder:
1. Mobilidade e coordenação motora: não posso me aproximar de meu computador sem poder me locomover e não posso usar o mouse, o teclado do computador ou do celular se não tiver coordenação motora pra isso. Prenda-se a uma cadeira de rodas ou amarre seus braços e tente utilizar um PC.
2. Visão normal: preciso enxergar bem para fazer minhas escolhas nas diversas telas que aparecem, para controlar a direção do mouse, para ver meus erros, para escolher o contato correto no celular, para digitar a hora de acordar. Sem a visão, de nada servem os vídeos do YouTube e as belas imagens e ícones na tela do PC. Feche seus olhos, use uma venda, ou apenas borre sua visão com óculos de um amigo, e tente fazer alguma coisa na internet.
3. Audição normal: preciso ouvir para perceber os diversos avisos sonoros que o PC emite, para escutar minhas músicas, para entender boa parte dos vídeos do YouTube ou para acordar com o despertador do celular. É difícil isolar nossa audição, mas imagine como você acordaria sem o som do seu despertador, como entenderia as notícias da televisão ou os vídeos do YouTube.



Então, como fazem os milhões de indivíduos que convivem com uma ou várias dessas limitações?



Cerca de 14,5% (mais de 27 milhões) dos brasileiros possuem algum tipo de deficiência. Apesar disso, as necessidades delas e seus desejos são tão fortes quanto os meus e os seus. Essas pessoas querem estar informadas, querem estar no Orkut, querem usar todos os recursos do seu celular e querem acompanhar as novas tendências, assim como você faz!



Felizmente já existem algumas soluções, apesar de limitadas, para essas pessoas.



Acessórios e mouses e teclados adaptados permitem que pessoas com dificuldades motoras utilizem o computador com certo esforço. Novas soluções de hardware estão surgindo, utilizando o movimento dos olhos, da boca, da cabeça ou outros membros que permanecem funcionais, mesmo que parcialmente, para controlar o movimento do ponteiro do mouse e para realizar a digitação de texto. Porém o acesso a todas essas soluções é muitíssimo limitado, tanto pelo alto custo como pelo isolamento acadêmico de muitas descobertas, que morrem sem apoio financeiro nem interesse comercial.



Deficientes auditivos ainda carecem de muitas soluções, mas algumas já tem facilitado suas vidas. Para pessoas com baixa audição, o avanço na tecnologia dos aparelhos auditivos tem trazido melhorias substanciais. Para as pessoas surdas, um grande avanço foi o recurso Closed Captions, que permite que as operadoras de televisão enviem junto com sua programação uma legenda opcional (oculta, pois o telespectador escolhe no aparelho se quer visualizá-la ou não). Para utilizar essa tecnologia, porém, é necessário ter um televisor compatível (apenas os mais recentes são) e também que a emissora envie o sinal da legenda, o que não ocorre em muitos programas. Porém, o grande avanço para os deficientes auditivos está justamente na comunicação por texto e outros recursos visuais que a Internet permitiu desde seu início e que também os celulares permitem hoje. A interação e o convívio dessas pessoas com outras não surdas ficou mais fácil através dessas novidades.



Os deficientes visuais só conseguiram utilizar muitas dessas tecnologias recentemente. A Internet e a Web são baseadas em texto e conteúdo visual, impossibilitando já nos seus primórdios que os deficientes visuais também utilizassem esses recursos. Já na década de 1980 surgiram alguns computadores com sintetizadores de voz, capazes de transformar um texto digitado em voz. Porém esses equipamentos eram limitados e normalmente construídos para aplicações específicas. Apenas recentemente essa tecnologia chegou aos computadores pessoais, nos softwares conhecidos como TTS (text-to-speech, texto para fala). Inicialmente esses aplicativos também eram bastante pobres, limitando-se a realizar a leitura de arquivos de texto já existentes ou um texto digitado no ambiente do software. Os sistemas operacionais (Windows, DOS, Linux) porém, permaneciam inacessíveis para os deficientes visuais e estes necessitavam de auxílio de outra pessoa para iniciar e operar o programa de leitura de textos. Em seguida surgiram alguns aplicativos que tornavam o sistema operacional, ou pelo menos suas funções básicas, acessível ao portador de deficiência visual, agregando também ferramentas para a Internet, como e-mail, navegador e bate-papo. A partir de então, cegos puderam pela primeira vez receber conteúdo escrito por não-cegos e escrever e serem lidos. Antes,  apenas com a escrita Braille, não era possível essa troca de igual para igual. Apesar de permitir novas experiências para pessoas cegas, esses softwares tinham e ainda tem muitas limitações. O usuário ainda precisa, com certa freqüência, do auxílio de outra pessoa para operar um computador e também conhecer as peculiaridades do sistema operacional onde está trabalhando, pois nem todos os caminhos são intuitivos.





Com a popularização da banda larga, multiplicou-se o uso de conteúdo multimídia na Internet e hoje os deficientes visuais passam por uma nova dificuldade para ter acesso aos diversos recursos da web. Os programas que existem hoje para eles, os Leitores de Telas como são conhecidos, não conseguem 'ler imagens' ou mesmo ler o texto que está em imagens de sites, assim como não podem 'explicar' a seqüência de imagens de um vídeo do YouTube. Muitas páginas, também, são construídas apenas através de conteúdo multimídia, como Flash e outros. Essas páginas não podem ser interpretadas pelos leitores de tela, pois todo seu conteúdo são na verdade imagens. Inclusive os textos delas, na maioria das vezes, são imagens e não um formato legível para o software.





Nesse momento, acredito ser muito difícil contornar esses problemas apenas melhorando os softwares de Leitura de Telas. É necessário que quem cria conteúdo para a Web esteja ciente da necessidade de tornar esse conteúdo acessível também para deficientes visuais. Precisamos conhecer o conceito de Acessibilidade na Web. Assim como hoje buscamos a acessibilidade física, com rampas de acesso, portas, corredores e elevadores que permitam a passagem de cadeirantes, banheiros adaptados e tudo mais, também temos que buscar essa mesma acessibilidade para a informação em meio digital, não só para deficientes visuais, mas para todos que tenham algum tipo de deficiência que dificulte o acesso através dos meios tradicionais. Já existem alguns serviços na Internet que fazem uma verificação do seu site e emitem um relatório com as orientações para torná-lo acessível. O serviço em português mais completo que conheço é o 'DaSilva', que mostra relatórios muito completos e define as prioridades para as modificações a serem feitas no site. Se você possui um site, um blog, não deixe de verificar nesse serviço o nível acessibilidade dele. Faça as modificações ou publique uma versão adaptada de seu site e permita que mais pessoas tenham acesso a seu conteúdo!



Faço aqui um DESAFIO!!



Existe um software para leitura de telas que possui código aberto e é gratuito, o NVDA. Baixe esse programa (clicando aqui), instale e rode ele no seu Windows. Não esqueça de ligar o áudio de seu PC e preferencialmente use fones de ouvido.



Agora o mais importante! FECHE SEUS OLHOS! Use uma venda!



Pronto! Você está tendo a possibilidade de experimentar o uso de um computador utilizando os mesmos recursos e limitações de uma pessoa cega.



Tente utilizar seu PC sem utilizar a visão e volte até meu blog e tente ler as postagens. Acesse também a versão mais acessível do meu blog utilizando o link na parte superior da página. Perceba as diferenças.



Vamos, deixe de ser preguiçoso! Tenha uma experiência diferente! Aceite o desafio!

Faça o teste, volte aqui e deixe seu comentário.


A desinstalação do NVDA é muito simples e pode ser feita a qualquer momento. Não se preocupe com isso.
Se você tiver alguma dificuldade para instalar o programa entre em contato comigo. As dificuldades no uso, deixo por sua conta!
Postar um comentário